Notícias

Fimose, parafimose e balanopostite: quais as diferenças?

A fimose é a incapacidade – ou apenas uma dificuldade, em diversos graus – para retrair o prepúcio, que é a pele que recobre a glande ou a “cabeça” do pênis. A parafimose é uma complicação da fimose e ocorre quando o indivíduo portador de algum grau de fimose consegue expor a glande, mas não consegue recobri-la, isto é, trazê-la de volta à posição original, e isto se configura uma emergência urológica, pois dificulta o fluxo sanguíneo no local, causando edema e dor.

“Diagnósticos diferenciais de fimose são o excesso de pele no prepúcio, que o paciente e/ou os pais costumam confundir com fimose, mas que, embora o aspecto sugira algum problema, o paciente não apresenta nenhuma dificuldade de retração prepucial”

No consultório do urologista, a fimose é queixa frequente e ocorre em todas as idades, sendo mais comum na infância. No adulto previamente normal, a fimose pode ocorrer como sequela de processos inflamatórios repetitivos e crônicos de diversas causas (diabetes, por exemplo) e até cicatrizações de traumas diretos no pênis, embora estes sejam menos frequentes.

Diagnósticos diferenciais de fimose são o excesso de pele no prepúcio, que o paciente e/ou os pais costumam confundir com fimose, mas que, embora o aspecto sugira algum problema, o paciente não apresenta nenhuma dificuldade de retração prepucial. E as balanopostites, que são as infecções da glande e do prepúcio e que podem causar alguma dificuldade temporária para se retrair a pele e expor a glande, pelo intenso processo inflamatório.

O tratamento da fimose pode ser clínico ou cirúrgico. Em casos mais leves, pode-se tentar tratamento com pomada oleosa à base de corticoides de baixa potência por tempo não muito prolongado.

A cirurgia da fimose e parafimose se chama postectomia ou circuncisão e consiste na retirada deste prepúcio. Em adolescentes e adultos, essa cirurgia pode ser feita com anestesia local ou acompanhada de sedação anestésica, e a recuperação é bastante favorável – o indivíduo rapidamente retorna às suas atividades de rotina. Em crianças, a técnica cirúrgica é semelhante e recomenda-se o acompanhamento de anestesista.

Estima-se que aproximadamente 60% dos homens no mundo sejam postectomizados ou circuncisados, seja por motivo de saúde, estética ou religioso de alguns povos, ou como ritos de passagens da infância para a adolescência em tribos espalhadas pelo mundo.

Balanopostite

A balanopostite é o processo inflamatório mais frequente que ocorre no pênis. É uma inflamação conjunta da glande e prepúcio (balanite é inflamação da glande; postite é inflamação do prepúcio).

A causa mais comum é uma infecção fúngica aguda causada pela candida albicans. Não é considerada uma doença sexualmente transmissível, pois pode-se desenvolver sem a realização de penetração, embora o casal possa compartilhar a cândida durante o ato sexual. Adicionalmente, o paciente pode apresentar balanopostites bacterianas agudas primárias ou como uma superinfecção bacteriana sobre uma infecção fúngica inicial.

Indivíduos de meia idade e idosos que apresentam balanopostite aguda devem sempre ser investigados para diabetes mellitus, visto que a infecção genital por fungos é a alteração mais comum no homem diabético que ainda não recebeu este diagnóstico.

Ainda ocorrem balanopostites crônicas, decorrentes de processos inflamatórios autoimunes, como a balanite xerótica obliterante, cuja precocidade do tratamento diminui as complicações locais futuras da doença.

O tratamento da balanopostite aguda consiste em cremes tópicos associados à medicação via oral. Se não houver infecção bacteriana associada, a prescrição deverá ser unicamente de antifúngicos. Os antibióticos devem ser reservados apenas para a concomitância de bactérias.

Jamais deve-se utilizar associações em cremes que contenham corticoides fluorados de alta potência por períodos prolongados ou como automedicação, pois estes causam atrofia e fragilidade da pele do pênis, com fácil ruptura durante o ato sexual e infecção nestes pequenos cortes, e até processo inflamatório persistente mesmo sem infecção.

Eventualmente, em casos de balanopostites de repetição e nas infecções urinárias do lactente, a cirurgia de postectomia deve ser indicada, mesmo na ausência de fimose.

A consulta urológica é a melhor forma de esclarecer, diagnosticar e tratar as alterações penianas resultantes de processos inflamatórios.

Dr. Ricardo Zordan – Porto Alegre, RS.

Fonte: Portal da Urologia

Compartilhe

Deixe seu comentário

2 comentários

  1. Avatar

    Bom dia , pode me informar valor da consulta. Obg

    1. Clínica Urosul

      Boa tarde Marcos, como vai? Você pode entrar em contato conosco através do telefone (24) 3348-2385 ou pelo Whatsapp (24) 98128-3322 para saber mais informações e marcar uma consulta. Se preferir mande um email para atendimento@clinicaurosul.com.br.
      Aguardamos seu contato!