Notícias

Câncer de bexiga: tabagismo é principal fator de risco

O câncer de bexiga é o décimo primeiro tumor mais prevalente na população – acomete mais frequentemente homens. Seu aparecimento e o risco de levar a óbito são afetados diretamente pelos hábitos de vida dos pacientes. O tabagismo é o principal fator associado ao aparecimento dessa doença. Outras condições, como exposição a substâncias tóxicas presentes em derivados do petróleo e tintas, também aumentam esse risco.

Em cerca de 75% dos casos esse diagnóstico é realizado em uma fase inicial, sendo possível um tratamento com maiores taxas de cura e menores riscos. O principal sinal desse tumor é o aparecimento de sangue na urina. Além desse, sintomas como irritação na bexiga e necessidade de micção com urgência são outros achados que indicam investigação.

“O tabagismo é o principal fator associado ao aparecimento dessa doença. Outras condições, como exposição a substâncias tóxicas presentes em derivados do petróleo e tintas, também aumentam esse risco”

Diante da suspeita, inicia-se a investigação com exame microscópico de urina e de imagem. Entre eles, a ecografia (ultrassonografia) é a primeira forma de avaliação, servindo muitas vezes como triagem inicial. Embora esse exame tenha bons resultados, alguns pacientes necessitarão complementar a investigação com a realização de uma urotomografia computadorizada, que permite uma ampla avaliação do trato urinário inferior e superior.

Além desses exames, em pacientes com fatores de risco, diante da suspeita de tumor de bexiga, está indicada a realização de cistoscopia (exame endoscópico que visualiza toda a camada interna da bexiga). Caso apresente alguma alteração, pode ser realizada biópsia.

Tratamento

Uma vez diagnosticada a presença de uma lesão suspeita dentro da bexiga, o próximo passo é a retirada dessa área. Portanto o diagnóstico definitivo de câncer de bexiga só ocorre após essa avaliação patológica. Atualmente esse processo é realizado por meio de um aparelho introduzido pela uretra, chamando-se de ressecção transuretral (RTU).  De acordo com a análise patológica, essa RTU inicial pode ser suficiente para o tratamento. Já alguns casos podem necessitar de nova ressecção para melhor avaliação da doença.

De acordo com a análise patológica dessa nova ressecção (Re RTU), um tratamento complementar com uso de medicamentos intravesicais pode ser necessário. O mais frequente é o uso de solução de BCG intravesical, por um período que varia de seis semanas até três anos.

Em cerca de 25% dos pacientes, esse procedimento evidencia a presença de uma doença mais grave, invasiva, com necessidade de tratamentos mais complexos. Nesses casos, determinados como músculo invasivo, a retirada completa da bexiga (cistectomia radical) é considerada o principal tratamento com intenção curativa.

Alguns tumores músculo-invasivos podem ser tratados com a preservação da bexiga, através de uma RTU extensa associada a radioterapia e quimioterapia. Mesmo sem a retirada completa da bexiga, esse tratamento também pode ser curativo.

Outro dado muito importante é o seguimento, visto que esses pacientes possuem um risco de voltar a ter tumor na bexiga. Portanto serão classificados de acordo com esse risco. Os exames que serão necessários no acompanhamento do paciente podem variar em cada caso.

O diagnóstico precoce e o tratamento rápido aumentam as chances de cura da doença, assim como o seguimento adequado prolonga a vida dos pacientes.

 

Fonte: Portal da Urologia

Compartilhe

Deixe seu comentário